Policia prende estelionatários que compravam carros com cheques sem fundos no Maranhão

551D94B6-847C-47D5-BEE3-12C3786D09E6

Policiais prenderam ontem, dia 29 (sábado), na cidade de São Domingos do Maranhão três elementos que estavam comprando carros com cheques sem fundos em cidades maranhenses e provavelmente em outros estados.

Com o trio, foi apreendido um micro-ônibus que havia sido roubado em Caxias. Eles foram transferido para uma cadeia em Presidente Dutra. Confira abaixo a foto dos elementos:

Parabéns ao nosso Amigo Luiz De Salles Neto

parabens.jpg

Chegou o momento de sorrir como nunca, de dançar e pular de alegria. Hoje o dia é seu e sua idade não é importante.

 Hoje comemora-se o aniversário de um homem que aprendi a respeitar por sua postura honrada e justa. Dr. Luis de Salles Neto, advogado valoroso, sempre lutando por causas sociais e pelo que é justo. Lhe desejo toda a felicidade possível e que Deus lhe proteja de todo o mal.

Parabéns por saber  aproveitar o dom da vida e nos ensinarmos a sermos mais generosos.

O que interessa de verdade é sentir a cabeça fresca e a energia no coração. Você viveu muitos anos e continua jovem.  PARABÉNS!!

Carolina: R$ 35.566.472,28 caíram na conta da Prefeitura no Banco do Brasil em 2018

CAROL.jpg

FONTE SISBB – Sistema de Informações Banco do Brasil

5.216.605,66 FEVEREIRO 
2.955.692,75     MARÇO
2.308.452,38     ABRIL
3.925.724,24      MAIO
3.219.519,66   JUNHO
3.420.905,24    JULHO 
5.511.939,74    AGOSTO E SETEMBRO
5.484.202,76    OUTUBRO E NOVEMBRO  2018
4.149.268,74   DEZEMBRO 2018

 

   TOTAL DOS RECURSOS R$ 35.566.472,28

DOWNLOADS DOS EXTRATOS

[bb.com.br] JANEIRO

[bb.com.br] FEVEREIRO

[bb.com.br] MARÇO

[bb.com.br] ABRIL

[bb.com.br] MAIO

[bb.com.br]JUNHO

[bb.com.br] JULHO

[bb.com.br] AGOSTO SETEMBRO

[bb.com.br] OUTUBRO NOVEMBRO

[bb.com.br] DEZEMBRO

 

Carolina/MA: O caos instalado na saúde faz Promotoria acionar a justiça

download

Com base em um relatório do Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (Denasus), o Ministério Público do Maranhão ingressou, em 10 de dezembro, com uma Ação Civil Pública (ACP) contra o Município de Carolina, na qual cobra a regularização dos problemas apontados no prazo de três meses.

O Relatório de Auditoria n° 17.359 foi realizado pelo Denasus junto à Secretaria Municipal de Saúde e foram apontadas uma série de irregularidades no Bloco de Atenção Básica e do Componente Básico do Bloco de Assistência Farmacêutica.

Entre os problemas estavam o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde desatualizado e problemas de estrutura física, higienização, manutenção e conservação em cinco Unidades Básicas de Saúde da Família, que comprometem o atendimento à população. Também foram identificadas não conformidades referentes a equipamentos e material de trabalho indispensáveis às atividades, inclusive de saúde bucal.

Em pelo menos três unidades – postos de saúde Estevão Prado Araújo e Alcides Coelho Espíndola e Unidade Básica de Saúde Luís da Silva Braga – foi verificado a inexistência de médicos por período superior a 60 dias. Além disso, a farmácia da Assistência Farmacêutica Básica não tinha certificado de regularidade técnica emitido pelo Conselho Federal de Farmácia, licença nem alvará sanitário de funcionamento.

De acordo com o promotor de justiça Marco Tulio Rodrigues Lopes, uma reunião foi realizada com o prefeito, o procurador municipal e a equipe técnica da Prefeitura de Carolina, para tentar resolver os problemas. Embora tenha sido firmado um compromisso, não houve comprovação de resolução das questões, mesmo depois de 10 meses.

Na ACP, o Ministério Público requer que, caso a liminar seja descumprida e os problemas não sejam sanados em três meses, a Justiça determine o bloqueio das contas do Município de Carolina até o valor de R$ 100 mil. Também foi pedida a aplicação de multa diária de R$ 5 mil ao prefeito Erivelton Neves.

Redação: Rodrigo Freitas (CCOM-MPMA)

Interdição de balsa deixa população sem alimentos e combustível em Santa Maria das Barreiras

gerente
Gerente Admin. Posto de Combustíveis Santa Maria das Barreiras/ PA

Não tem sido nada fácil a vida de quem mora na cidade de Santa Maria das Barreiras, localizada no sul do Pará. Depois da interdição da balsa – que fazia a travessia pelo Rio Araguaia até a cidade de Araguacema, no Tocantins – a população hoje está praticamente ilhada. O comércio e a agricultura há dois anos acumulam prejuízos.

Com estradas de terra sem manutenção e muitas delas inacessíveis por conta de buracos, atoleiros e pontes de madeiras que caíram, a população está sendo obrigada a percorrer quase 200 quilômetros – nessas condições – para chegar a cidades vizinhas como Conceição do Araguaia ou Redenção, e ter acesso a serviços básicos.

Para não ficar totalmente sem alimentos nos supermercados que abastecem a cidade, a solução encontrada pelos comerciantes é atravessar as mercadorias em pequenas canoas motorizadas. Na maioria das vezes é preciso dar mais de 10 voltas para levar todos os produtos de Araguacema à Santa Maria das Barreiras.

Para a comerciante Marinalva Amorim Silva, isso tem elevado os custos para manter a cidade abastecida com mantimentos. “Verduras aqui na cidade só chega uma vez na semana e mesmo assim, na maioria das vezes, chegam amassadas e as mercadorias danificadas. E, infelizmente, por conta de toda essa logística para termos alimentos no supermercado, somos obrigados a repassar parte desses gastos para os produtos, aumentando o preço para os consumidores”, lamentou.

Outra comerciante disse que a cidade chegou ao ponto de ficar semanas sem combustível. “Já teve o caso da gente ter que comprar gasolina a R$ 9,00 de atravessadores por que nos postos não tinham combustível. Estamos jogados a própria sorte”, disse Meirinalva Nascimento.

Toda essa dificuldade tem forçado algumas pessoas da cidade a tomar a decisão drástica de abandonar a cidade e se mudar para outro local. A prova disso é dezenas de casas vazias que foram colocadas à venda.

Nossa equipe de reportagem percorreu várias ruas de Santa Maria das Barreiras e encontrou uma cidade vazia, com raríssimas pessoas circulando pelas ruas e muitas casas vazias. “As pessoas aqui cansaram de sofrer e, a cada dia, tem deixado suas casas para procurar um lugar melhor para se viver. A Justiça não nos tirou só uma balsa que atravessava o rio, tirou nossa dignidade e nos colocou na miséria”, disse uma moradora que já pensa em se mudar da cidade.

 

Moradores de Santa Maria das Barreiras enfrentam quase 200 km de estradas de terra para ter acesso a banco

 

 

Já imaginou ter que percorrer quase 200 quilômetros de estrada de terra, repleta de buracos e atoleiros, só para pagar uma conta ou simplesmente sacar um dinheiro? Quase impossível de se imaginar, né? Mas essa história se repete todos os dias no município de Santa Maria das Barreiras, no Pará.

Banhada pelo Rio Araguaia, os únicos acessos à cidade é feito por canoas motorizadas que atravessam o rio ou por estradas que cortam a cidade. Mas se sua escolha for ir por terra, se prepare para aventura. São quase 200 quilômetros de atoleiros, buracos, riachos que não tem mais pontes para atravessar e muita poeira no rosto, já que o principal meio de transporte da população é a motocicleta.

Depois que bandidos explodiram as agências do Correios e Banco do Bradesco, a população de Santa Maria das Barreiras não teve alternativa a não ser enfrentar a lama e os buracos para sacar programas sociais e fazer serviços bancários nas cidades vizinhas, como Conceição do Araguaia e Redenção.

Mas nem sempre eles tiveram toda essa dificuldade. Antes da interdição da balsa, que fazia a travessia entre os municípios de Santa Maria das Barreias e Araguacema, a economia das duas cidades giravam, o turismo era aquecido por conta do fácil acesso e o dinheiro levava o progresso para a região. Agora, sem balsa e sem estradas, a cidade é comparada a um deserto, como bem classifica o vereador e comerciante, Eduardo Esteves de Azevedo, mais conhecido como Duda.

Para o vereador se a balsa estivesse em pleno funcionamento em 30 minutos a pessoa já estaria em Araguacema. “Tudo aqui está chegando mais caro. Estamos ilhados. Já morreram pessoas aqui por conta da enorme distância que teve que percorrer para ter atendimento médico”, ressaltou.

Já a gerente administrativa, Débora Bartolomeu, afirma que a interdição da balsa provocou um verdadeiro caos na cidade. “A população está sofrendo muito com essa decisão do promotor de interditar a balsa. Até parece que virou uma coisa pessoal. Eles precisam vir aqui e ver a nossa realidade, e sentir na pele o nosso sofrimento”, desabafou.

VEREADOR DUDA FALA SOBRE A DIFICULDADE SOFRIDA POR SANTA MARIA DAS BARREIRAS/PA